Publicado em 04/01/2017 às 09:00 AM

Indocumentado deportado 19 vezes, que estuprou menina de 13 anos gera movimento anti-imigrante

Indocumentado deportado 19 vezes, que estuprou menina de 13 anos gera movimento anti-imigrante

Tomas foi deportado 19 vezes antes de estuprar menina de 13 anos Tomas foi deportado 19 vezes antes de estuprar menina de 13 anos

Um imigrante indocumentado, que foi deportado 19 vezes, foi capturado em flagrante quando estuprava uma menina de 13 anos em um ônibus da Greyhound que viajava pelo Kansas em setembro passado. Ele foi deportado forçadamente dez vezes e nove vezes deportado voluntariamente. Tudo isso desde 2003.

Tomas Martinez-Maldonado, natural do México, tem 38 aos de idade e foi condenado duas vezes por ter entrado nos Estados Unidos. Ele cumpriu 60 dias de sentença em 2013 e 165 dias em 2015. O caso, que aconteceu em setembro, serviu para que os apoiadores de Trump ganhassem mais forças para pedir a expulsão dos imigrantes do país, principalmente os criminosos.

O blog Right Wing News atribuiu a culpa deste estupro ao presidente Barack Obama e garantiu que foram casos como este que deram a vitória para Donald Trump. “A questão número um do republicano foi a imigração ilegal e livrar-se de criminosos que nunca deveriam estar nos EUA. Duvido que Obama se preocupe com casos de estupradores ilegais que agridem outra garotinha. Ele está muito ocupado em acabar com a América antes de sair”, escreveu.

O imigrante está preso na cadeia do Condado de Geary, em Junction City, que fica 120 milhas a oeste de Kansas City. Em dezembro, três senadores republicanos – incluindo Jerry Moran e Pat Roberts – exigiram que o Departamento de Segurança Interna forneça registros de imigração de Tomas Martinez-Maldonado.

Tomas estava morando na Geórgia e o caso tem sido considerado muito perturbador. “Isso faz seu sangue ferver porque nunca deveria ter acontecido”, escreveu o blog em sinal de revolta. “Uma audiência de status para esta besta está agendada para 10 de janeiro. A advogada de defesa Lisa Hamer se recusou a comentar sobre a acusação, mas disse que ‘o direito penal e a imigração definitivamente se cruzam e hoje em dia deve ser responsabilidade de todos os advogados de defesa criminal conhecerem as possíveis ramificações nos tribunais de imigração'”, finalizou.

Fonte: Brazilian Times