Publicado em 14/03/2017 às 02:00 PM

Estados americanos contestam novo decreto anti-imigrantes de Trump

Ferguson alega que Trump não modificou consistentemente o primeiro veto, e que ele continua sendo inconstitucional

Nesta segunda-feira (13), o estado de Washington abriu um processo no qual contesta o novo decreto migratório do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinado em 6 de março, que proíbe a entrada de cidadãos de seis nações de maioria muçulmana no país, além de suspender o programa de amparo a refugiados.

Bob Ferguson, procurador-geral de Washington, entregou uma nova versão da ação contra o primeiro veto de Trump, que foi assinado no dia 27 de janeiro e derrubado pouco depois pela Corte de Apelações do Nono Circuito, em San Francisco, na Califórnia. Ferguson alega que Trump não modificou a fundo a medida, e que ela continua sendo inconstitucional.

Washington, juntamente com Minnesota, foi o primeiro estado a contestar o decreto anti-imigrantes de Trump.

Quando o presidente Trump emitiu sua primeira ordem executiva, imediatamente destroçou famílias, causou um estresse significativo e dificuldades financeiras. Muitas famílias sofrerão um destino similar sob a segunda ordem executiva. Não poderão se reunir com seus parentes nem receber visitas."

As diferenças entre os decretos são pequenas. O segundo apenas exclui cidadãos do Iraque da lista de vetos. Irã, Somália, Sudão, Síria, Iêmen e Líbia seguem com entrada proibida nos Estados Unidos. Outra mudança é referente aos refugiados sírios, que antes tinham entrada proibida por tempo indeterminado e no novo veto o prazo fica o mesmo do que para os demais países, que é de 120 dias.

Outros estados americanos estão se unindo a Ferguson.

Fonte: www.noticiasaominuto.com.br