Publicado em 14/04/2017 às 12:30 PM

Brasileiro pede ajuda para recomeçar a vida no Brasil

Brasileiro pede ajuda para recomeçar a vida no Brasil

O brasileiro sofreu fratura na costela e no braço e fez duas operações O brasileiro sofreu fratura na costela e no braço e fez duas operações

Natural do Rio de Janeiro, Alcemar Fagundes, 57 anos de idade, está vivendo um dos momentos mais difíceis de sua vida desde que chegou aos Estados Unidos há cerca de 20 anos. Carioquinha, como é mais conhecido na comunidade brasileira em Massachusetts, está sem poder trabalhar há cinco meses, pois passou por uma cirurgia de hérnia e hemorroida.

Como se não bastasse, em fevereiro, ele foi colocar o lixo da casa para fora e escorregou na neve, caindo de uma escada. A queda resultou em no braço esquerdo e duas costelas quebrados. “Está muito difícil para mim, pois nem sei direito como estou me sustentando nestes dias”, disse ele, bastante emocionado durante uma visita à redação do Brazilian Times.

Carioquinha mora em um quatro alugado, na cidade de Somerville (Massachusetts), e trabalhava na área de construção civil. Mas desde novembro não consegue trabalhar direito e para piorar, alguns donos de companhias para as quais ele trabalhou, não o pagaram corretamente. “Foi por isso que eu tomei esta decisão”, disse ele explicando o motivo que o levou a querer retornar para o Brasil.

Durante a conversa, ele disse que está desgostoso com a vida e quer ficar ao lado de sua mãe, que já está com mais de 80 anos de idade e não a vê há quase 20 anos. “Lá no Brasil eu sei que posso ganhar a vida até vendendo churrasquinho na rua e aqui está difícil trabalhar”, explica.

Um amigo já comprou a passagem para ele retornar e a viagem está marcada para o dia 9 de maio. Mas o brasileiro está pedindo ajuda da comunidade para não retornar ao Brasil sem dinheiro. “Eu preciso recomeçar a minha vida e sei que o pouco que cada um me der, significará muito neste recomeço”, fala. “Qualquer valor é bem-vindo, pois não tenho nada”, continua.

Carioquinha tem uma filha que mora em Portugal e dois que estão no Brasil. Ele ainda não tem emprego garantido neste retorno e ressalta que a doação que conseguir da comunidade vai ajudá-lo a se manter até reestrutura a vida novamente. “Farei o que for preciso para sobreviver”, finaliza.

Os interessados em saber mais sobre a história de Carioquinha ou como fazer uma doação, entre em contato com ele, através do telefone (857) 246-5262.

Fonte: Brazilian Times