Publicado em 09/05/2017 às 05:30 PM

Biólogo é acusado de mandar matar boto para reportagem da TV Globo

Documentário afirma que apresentador pagou pela morte do animal para obter imagens chocantes para reportagem

Um documentário produzido pelo cineasta norte-americano Mark Grieco, River Below (Um Rio Acima, em tradução livre), acusa o biólogo e apresentador Richard Rasmussen de pagar pela morte de um boto cor-de-rosa a fim de produzir imagens mais fortes para uma reportagem exibida no programa Fantástico, da TV Globo, em 2014.

A matéria falava sobre a matança dessa espécie de animal na Amazônia. Nas imagens, pescadores ribeirinhos matam boto o e o cortam para usar os pedaços de carne como isca para o peixe piratinga. Ao fazerem o corte, os pescadores descobrem que o animal é fêmea e está prenha. Eles, então, tiram o feto da barriga do animal e o atiram no rio, atraindo mais peixes. As imagens causaram polêmica à época e pressionaram a aprovação de uma lei que proíbe a pesca de piracatinga durante cinco anos.

Grieco decidiu fazer um filme sobre a siuação dos botos da Amazônia e descobriu que, após a exibição da reportagem, pesoas foram presas e algumas famílias perderam a principal forma de renda. O cineasta procurou os ribeirinhos que apareceram na reportagem. Eles disseram ter recebido diesel, comida e dinheiro para matar o boto.

De acordo com o filme, Rasmussen teria sido responsável direto pelo suborno aos ribeirinhos. O biólogo foi entrevistado para o documentário e chega a admitir que sabia da situação, mas nega ter pagado pela matança. “Eu sabia o que eu tinha que fazer. Era contra todos os meus princípios, mas nós precisávamos dessas imagens. Porque, Jesus, as pessoas precisam ver para acreditar”, afirma.

“Eu nunca pagaria ou mesmo participaria do sacrifício de qualquer animal. A matança dos botos é monitorada há anos por ambientalistas e já estava sendo investigada pelo Ministério Público. Minha intenção foi alertar o grande público que a matança de botos é uma realidade dura e cruel”, disse o biólogo, em entrevista ao UOL.

Já a TV Globo afirma que recebeu as imagens por meio da Ampa (Associação Amigos do Peixe-Boi) e não tinha conhecimento sobre a origem das cenas.

Leia a nota da Rede Globo na íntegra:

A TV Globo não foi procurada pelos autores do documentário e não teve acesso a ele. Como em toda a reportagem que coloca no ar, a Globo sabia quem era o responsável pelas imagens e tomou providências para checar a veracidade das informações. O material foi cedido pela Ampa e, na gravação bruta, com o áudio ambiente, não havia nada que sugerisse qualquer irregularidade ou método ilícito na captação de imagens. Toda a estrutura em volta da captação e o comportamento dos pescadores mostravam que essa, para eles, era uma prática frequente, que desempenhavam com desenvoltura.

Tanto a Ampa quanto o Instituto de Pesquisas da Amazônia viram as imagens e as validaram como legítimas. Tivemos o cuidado ainda de submetê-las ao Ministério Público Federal no Amazonas e fundamentar a reportagem em pesquisas do Instituto de Pesquisas da Amazônia, da UFRJ e da UERJ, que comprovaram, em amostras compradas nos mercados, que havia carne de boto rosa nas vísceras de piracatinga, peixe nocivo à saúde humana por conter altos níveis de metais pesados.

Autoridades da preservação já indicavam, na época, que a população de botos estava diminuindo em 10% ao ano por causa da pesca da piracatinga. Para a TV Globo, a correção na apuração jornalística jamais é colocada em risco seja qual for a causa em jogo.

Fonte: noticiasaominuto.com.br